companhiA de bailadO

Companhia de Bailado da Madeira. Depois de ter aceite o desafio de, com a direção do Conservatório – Escola Profissional das Artes da Madeira (designação à altura) colaborar na implementação do Curso Profissional de Dança (designação para o ano letivo 2000-2001) foi, no decorrer do período de organização do curso, dos espaços e das estruturas necessárias, que me foi colocado mais um desafio: o que é que seria necessário para se formar uma companhia de bailado? O tempo foi passando e depois de uma audição, em Lisboa, para recrutar sete bailarino(a)s arrancámos em setembro de 2000. O programa escolhido tinha três coreografias, “Coisa Nenhuma” (Teresa Norton/Francisco Loreto), “Abê-Álinha” (Cristina Graça/Bregovic, Aubry) e “Paquita” (versão concerto deste clássico – Petipa/Deldevez, Minkus – 1847). Por vontade política surgimos e por vontade política tudo terminou ao fim de um ano letivo, melhor dizendo, de uma temporada artística, com espetáculos no Teatro Municipal Baltazar Dias e na Sala Cassiopeia Grande do Madeira Tecnopolo, com deslocações a escolas e outras atividades educativas. Foi assim com a Companhia de Bailado da Madeira (setembro-2000 / julho-2001).

Teresa Norton Dias